Conecte-se a nossa Rede

Economia

Baixo crescimento no 4° tri deve prolongar recuperação fraca, diz pesquisa

Avatar

Publicado

dia

Economistas acreditam que PIB do Brasil provavelmente cresceu apenas 0,5% no quarto trimestre de 2019

PIB: crescimento econômico oficial será divulgado na próxima terça-feira (3) (Bruno Domingos/Reuters)

Nova York — A economia brasileira provavelmente não conseguiu acelerar nos últimos três meses do ano passado, crescendo apenas 0,5% e prolongando o que já é sua mais fraca recuperação de recessão jamais registrada, segundo uma pesquisa da Reuters com economistas.

Uma interrupção no ímpeto econômico do Brasil antes da virada do ano deixaria a maior economia da América Latina em ritmo fraco mesmo antes do surto de coronavírus, que tem se espalhado para dezenas de países, abalado os mercados financeiros e agora deixa muitos investidores preocupados com a recessão global.

“Mesmo antes (do surto) estávamos revisando nossas previsões devido ao fraco desempenho da economia no final de 2019. Adicionando os efeitos esperados da crise do vírus e com a piora da política interna, é difícil evitar prever um ano muito fraco pela frente”, disse José Francisco de Lima, economista-chefe do Banco Fator.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil provavelmente cresceu apenas 0,5% no quarto trimestre de 2019, de acordo com a mediana de 26 previsões em uma pesquisa da Reuters realizada entre 24 e 28 de fevereiro. O ritmo é mais lento do que o aumento de 0,6% registrado no período de três meses anterior.

O intervalo das estimativas foi de zero a 0,7%. Em comparação a um ano antes, a mediana dos prognósticos para o crescimento no quarto trimestre foi de 1,5%, um pouco acima da taxa de 1,2% registrada no trimestre de julho a setembro. Dado oficial será divulgado no dia 3 de março.

A desaceleração confirmaria dados recentes que refletiram um desempenho macroeconômico morno à medida que 2019 chegava ao fim, quando números de manufatura, consumo e outros setores ficaram abaixo das expectativas do mercado.

As previsões mais recentes, se precisas, marcarão o fim de uma breve tendência de alta iniciada em 2019, depois que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo prometendo reacender o crescimento, pressionando por reformas destinadas a reduzir o tamanho do Estado.

Mas os gastos e investimentos do consumidor permaneceram fracos ao longo do ano, após um golpe de sentimento infligido pela diluição de uma histórica reforma da Previdência no Congresso.

A última visão de consenso para 2020 foi de 2,1% na pesquisa, a mesma de janeiro, sugerindo que, por enquanto, os economistas não veem impacto substancial.

No entanto, os economistas não estavam totalmente confiantes, divididos em relação à capacidade do Brasil de atingir a meta de crescimento mínimo de 2% que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estabeleceu para este ano.

Respostas a uma pergunta na pesquisa mostraram que três dos 14 analistas consideraram “muito provável” que a economia cresça menos de 2% em 2020, enquanto cinco disseram ser “provável”. Os outros seis disseram que isso era “improvável”.

Muito vai depender de como o novo conjunto de reformas se sairá no Congresso. Uma pequena maioria de oito dos 13 economistas que responderam a uma pergunta separada disse que os planos de Bolsonaro para este ano provavelmente serão aprovados​​em tempo e forma.

Os cinco restantes disseram que isso era improvável.

 

Clique para Comentar

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Economia

Inflação oficial fica em 0,31% em abril, diz IBGE

Avatar

Publicado

dia

Por

A taxa é inferior à observada em março deste ano (0,93%), mas superior à registrada em abril do ano passado (-0,31%)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, ficou em 0,31% em abril deste ano. A taxa é inferior à observada em março deste ano (0,93%), mas superior à registrada em abril do ano passado (-0,31%).

Segundo os dados divulgados hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação acumula taxas de 2,37% no ano e de 6,76% em 12 meses.

A taxa de 12 meses ficou acima da acumulada até março (6,10%) e do teto da meta de inflação estabelecida pelo Banco Central para 2021: 5,25%.

Oito dos nove grupos de despesa pesquisados pelo IBGE tiveram alta de preços em abril, com destaque para saúde e cuidados pessoais, que registrou inflação de 1,19%. Entre os responsáveis por esse resultado estão itens como produtos farmacêuticos (2,69%) e de higiene pessoal (0,99%).

Outro grupo com alta relevante no mês foi alimentação e bebidas (0,40%), devido ao comportamento de preços de itens como carnes (1,01%), leite longa vida (2,40%), frango em pedaços (1,95%) e tomate (5,46%).

O único grupo de despesas com deflação (queda de preços) foi transportes (-0,08%). Os combustíveis tiveram queda de preços de 0,94%, com 0,44% na gasolina e 4,93% no etanol.

Outros grupos de despesa com inflação foram habitação (0,22%), artigos de residência (0,57%), vestuário (0,47%), comunicação (0,08%), educação (0,04%) e despesas pessoais (0,01%).

Continue Lendo

Economia

Vendas de motos têm alta e mostram recuperação do setor em abril

Avatar

Publicado

dia

Por

No acumulado de janeiro a abril, as vendas totalizaram 300.098 motocicletas, 9,1% a mais em relação ao mesmo período de 2020

(crédito: CNI/José Paulo Lacerda)

A quantidade de motocicletas novas vendidas no país no mês de abril totalizou 94.654 unidades, resultado 52% maior do que o registrado em março, e 235,1% superior ao comercializado em abril do ano passado, quando o setor foi fortemente afetado pela pandemia da covid-19. No acumulado de janeiro a abril, as vendas totalizaram 300.098 motocicletas, 9,1% a mais em relação ao mesmo período de 2020. 

Os dados foram divulgados hoje (11) pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo).

“Até o mês passado, ainda lidávamos com a falta de motocicletas no varejo devido ao impacto que as produções sofreram em janeiro e fevereiro. Agora, com esses novos índices produtivos, nosso objetivo é alcançar, gradativamente, o equilíbrio entre a oferta e a demanda e, com isso, reduzir a fila de espera por motocicletas”, disse o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian.

As exportações de motos totalizaram 4.276 unidades em abril, 32,5% a menos do que em março, e 903% acima do registrado no mesmo mês de 2020. No acumulado de janeiro a abril, os embarques de motocicletas para o mercado externo somaram 17.441 unidades, uma elevação de 140,5% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Produção

As fabricantes de motocicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus produziram 122.220 motocicletas em abril. O volume representa uma queda de 2,8% na comparação com março e de 7.179% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando as fábricas de motos praticamente pararam em razão da pandemia da covid-19. No acumulado de janeiro a abril, foram produzidas 359.621 motocicletas, alta de 20,2% na comparação com o mesmo período de 2020.

Depois de um primeiro bimestre bastante difícil, a produção de motocicletas apresenta uma curva de recuperação e estamos bem próximos ao patamar registrado em 2019, o que comprova isso. A perspectiva para os próximos meses é de manter esse ritmo e, com isso, regularizar o abastecimento”, ressaltou o presidente da Abraciclo.

Continue Lendo

Economia

Guedes defende redução da estabilidade e avaliação de servidores

Avatar

Publicado

dia

Por

Depois de muito tempo engavetada, a proposta de reforma administrativa foi enviada ao Congresso em setembro do ano passado

Ministro da Economia, Paulo Guedes (Edu Andrade/Ascom/ME/Flickr)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta terça-feira a avaliação periódica e a redução das possibilidades de estabilidade dos servidores públicos, previstos no âmbito da reforma administrativa enviada pelo governo ao Congresso no ano passado. A reforma muda as regras para o funcionalismo públicos federal, de estados e municípios.

— Nós queremos avaliação pela qualidade do serviço público, carreiras meritocráticas e planos de vida. Os jovens no serviço público pensando em melhorar, receber aumentos meritocráticos, conquistar estabilidade por bons serviços. No Brasil, mais de 90% dos servidores têm estabilidade. Lá fora é o contrário, menos de 5% tem estabilidade no emprego. Nós não queremos tanto, nós só queremos que haja avaliações para o ganho da estabilidade — disse Guedes.

O ministro deu as declarações a participar de audiência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que discute se a reforma é constitucional. O tema avançou pouco na Câmara até agora.

Guedes ressatou diversas vezes que a reforma não atinge os atuais servidores, e reconheceu que a reforma é “modesta”.

— É uma reforma administrativa bastante moderada, que foi fruto de muita conversa ao longo desses dois anos de governo. Nós calibramos e demoramos bastante, conversando com deputados, trocando ideias, recebendo críticas — afirmou, acrescentando que a decisão de não incluir os atuais servidores foi do presidente Jair Bolsonaro.

A proposta do governo prevê que parte dos novos funcionários públicos sejam contratados sem estabilidade. O benefício ficará restrito a integrantes das chamadas carreiras típicas de Estado, como auditores fiscais e delegados da Polícia Federal. Guedes disse que as carreiras típicas de Estado serão definidas em projetos posteriores.

O texto acaba com benefícios considerados privilégios, como licença-prêmio e progressão automática, mas apenas para os futuros servidores. A proposta também exclui militares e os membros de poderes, como juízes, promotores e políticos.

— Queremos que esses privilégios não sejam estendidos para o futuro, mas não estamos tirando isso de ninguém. Quem já tem, que mantenha — afirmou Guedes.

O ministro disse que o objetivo da reforma é ampliar a digitalização dos serviços, dar maior eficiência, descentralizar os recursos e criar “carreiras meritocráticas”.

— A palavra chave dessa reforma é a qualidade dos serviços públicos. Quanto melhor a qualidade, seja na saúde, no saneamento, na educação, melhor. Essa reforma não atinge os direitos adquiridos atuais, ela visa à qualidade do serviço. As avaliações são da qualidade do serviço, não é o indivíduo que está sendo avaliado — disse.

Guedes disse que as pessoas que ingressam no serviço público precisam entrar no salários compatíveis com a iniciativa privada e conquistar a estabilidade com base nos serviços prestados.

— Em que momento esse jovem que entrou com 22, 23 anos, ele pode começar a ter os salários mais substantivos e em que momento ele recebe a estabilidade de emprego. Como um prêmio ao bom desempenho, em vez de um cartório, por se preparar com cursinho e passar no exame — disse, acrescentando: — Temos que construir carreiras meritocráticas de bom desempenho.

O ministro disse que os concursos públicos estão suspensos à espera da aprovação da reforma administrativa e criticou os governos anteriores:

— Nós poderíamos estar aqui, como qualquer governo, abrindo concurso público e botando uma porção de gente para dentro para aparelhar o Estado para termos bastante militantes trabalhando para nós no futuro. Não estamos pensando assim. Nós queremos transformar o Estado brasileiro em um Estado servidor.

O ministro também comparou os servidores brasileiros aos funcionários públicos de outros países.

— Nós somos servidores públicos, não somos autoridades. Veja como os servidores nas democracias avançadas funcionam. Veja um servidor na Noruega, na Suécia. Ele anda de metrô, às vezes de bicicleta. Ele não tem 20 automóveis, mas 50 servidores, mas 30 assessores. Não é assim, é algo sempre bem modesto — disse.

Continue Lendo

Economia

Dólar fecha no menor nível desde janeiro após decisão do Copom

Avatar

Publicado

dia

Por

O principal motivo para o desempenho de hoje no mercado financeiro foi a indicação, pelo Banco Central, de que deverá promover uma nova alta de 0,75 ponto percentual na taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para junho

(crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Influenciado pelo aumento da taxa Selic (juros básicos da economia) e pelo alívio no mercado internacional, o dólar teve queda expressiva nesta quinta-feira (6) e fechou no menor nível desde meados de janeiro. A bolsa de valores, B3, operou em baixa durante quase toda a sessão, mas recuperou-se perto do fim das negociações e encerrou com pequena alta.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,279, com recuo R$ 0,087, 1,62%. A cotação chegou a subir para R$ 5,37 no início da sessão, mas reverteu a tendência ainda durante a manhã e passou a cair. A moeda norte-americana está no menor valor desde 14 de janeiro, quando fechou a R$ 5,212. A cotação acumula queda de 2,8% em maio e alta de 1,73% em 2021.

No mercado de ações, o dia foi marcado por oscilações. O índice Ibovespa, da B3, encerrou a quinta-feira aos 119.921 pontos, com alta de 0,3%. Depois de cair 0,4% por volta das 11h30, o indicador passou quase toda a tarde em queda, fechando em território positivo impulsionado por ações de mineradoras, que registraram lucros expressivos no primeiro trimestre em meio à valorização internacional do minério de ferro.

O principal motivo para o desempenho de hoje no mercado financeiro foi a indicação, pelo Banco Central, de que deverá promover uma nova alta de 0,75 ponto percentual na taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para junho. A decisão elevaria a Selic de 3,5% para 4,25% ao ano, fazendo o Brasil ter taxa maior que a do México, onde os juros básicos estão em 4% ao ano, e tornando o mercado brasileiro mais atrativo em relação a outros países emergentes.

Paralelamente, a alta dos juros torna a bolsa de valores menos atraente, ao estimular a migração de investimentos para a renda fixa, como CDB e títulos do Tesouro Nacional.

Além do balanço de empresas de mineração, a bolsa não encerrou com queda porque teve a ajuda do mercado norte-americano, com o índice Dow Jones (da bolsa de Nova York) voltando a fechar em nível recorde.

 Com informações da Reuters

Continue Lendo

Economia

Com exterior misto e após queda ontem, dólar segue sem direção antes de payroll

Avatar

Publicado

dia

Por

Os juros futuros abriram em leve alta e, há pouco, batiam máximas nesta manhã marcada por dois dados que surpreenderam

(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

O dólar oscila sem direção clara – ora em alta, ora em baixa -, refletindo a influência mista do mercado global e a expectativa com o resultado do mercado de trabalho em abril nos Estados Unidos, marcado para ser divulgado às 9h30 desta sexta. Os juros futuros abriram em leve alta e, há pouco, batiam máximas nesta manhã marcada por dois dados que surpreenderam.
O IBGE divulgou que as vendas no varejo caíram em março bem menos que o previsto pelos economistas em razão das restrições impostas ao comércio de bens e serviços após o agravamento da pandemia. As vendas caíram 0,6% em março ante fevereiro, fora do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast, que esperavam uma queda desde 13,70% a 2,30%, com mediana negativa de 5,60%.
Em comentário, o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, faz uma ponderação. Ele diz que, “apesar da queda mais modesta que o esperado, a variação trimestral é de queda relevante. Com os dados disponíveis de março temos o 1º trimestre de 2021 fechado e o recuo em relação ao 4º trimestre de 2020 foi de 4,28%”.
Logo cedo, a FGV divulgou que o IGP-DI acelerou em abril ante março e surpreendeu todos analistas. O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou alta de 2,22% em abril, após um avanço de 2,17% em março. O resultado do indicador ficou acima do intervalo das previsões do mercado financeiro, desde 1,20% a 2,10%.
Às 9h22 desta sexta, o dólar à vista subia 0,27% aos R$ 5,2922. Na mínima foi aos R$ 5,2762 (-0,03%) e na máxima, a R$ 5,2952 +0,33%). Ante o peso mexicano, o dólar caía 0,24%. Ante a lira turca, subia 0,35%. O Dollar Index recuava 0,05%.
Continue Lendo

Economia

Piora da pandemia prejudicou todo segmento do varejo, exceto supermercados

Avatar

Publicado

dia

Por

Sete das oito atividades que integram o comércio varejista registraram retração nas vendas em março ante fevereiro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio

(crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

O recrudescimento da pandemia de covid-19 e as medidas restritivas necessárias para o combate à disseminação do novo coronavírus prejudicaram de forma generalizada os segmentos varejistas em março, com exceção do setor de supermercados, avaliou nesta sexta-feira, 7, Cristiano Santos, gerente da Pesquisa Mensal de Comércio no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
“Houve restrições na maioria dos Estados mais populosos do Brasil”, apontou Santos, acrescentando que houve fechamento de escolas e antecipação de feriados. “Houve aumento da estratégia de restrição de circulação de pessoas em março”.
Sete das oito atividades que integram o comércio varejista registraram retração nas vendas em março ante fevereiro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio. Na média global, o volume vendido caiu 0,6%. A única taxa positiva foi a de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,3%), impedindo um recuo maior no varejo como um todo.
“Os supermercados não perdiam muito em receita, perdiam em volume, com a inflação”, lembrou Santos, acrescentando que o aumento nos preços dos combustíveis prejudicou em março o desempenho do setor de combustíveis e lubrificantes.
Os supermercados já respondem por mais de 50% do volume vendido no varejo. O segmento vinha prejudicado pela inflação de alimentos em patamar elevado, mas houve trégua em março. O setor supermercadista também foi impulsionado por uma migração de consumo das famílias, que deixaram de gastar em setores fechados pelas medidas restritivas para consumir itens vendidos pelos hipermercados, atividade essencial que permaneceu aberta, apontou Santos.
No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, houve redução de 5,3% no volume vendido em março ante fevereiro. As vendas de veículos caíram 20,0%, enquanto as de material de construção recuaram 5,6%.
Na comparação com março de 2020, o comércio varejista teve alta de 2,4% em março de 2021, beneficiado pela base de comparação baixa, diz Cristiano Santos. No varejo ampliado, as vendas subiram 10,1%.
Continue Lendo

Viu isso?