Conecte-se a nossa Rede

Saúde

Vacina da Moderna tem 94,5% de eficácia e pode ser aprovada em dezembro

Avatar

Publicado

dia

Novos testes foram realizados com mais de 30 mil voluntários que receberam doses ou um placebo da vacina

Vacina: novos testes com a vacina da Moderna mostram uma alta taxa de sucesso no combate ao vírus SARS-CoV-2 (Dado Ruvic/Reuters)

A Moderna divulgou novos estudos em relação a sua vacina contra o novo coronavírus. De acordo com a empresa, a vacina é 94,5% eficaz contra a covid-19. Para Stéphane Bancel, CEO da companhia, o resultado é um “divisor de águas”. Isso pode fazer com que a imunização seja aprovada para uso já no mês que vem.

“Este é um momento crucial no desenvolvimento de nossa vacina candidata covid-19”, disse Bancel em comunicado. “Esta análise provisória positiva de nosso estudo de fase 3 nos deu a primeira validação clínica de que nossa vacina pode prevenir a doença covid-19, incluindo doença grave.”

O mercado se animou com o resultado. As ações da Moderna já acumulam alta de mais de 12% na manhã desta segunda-feira (16), horas antes da abertura do pregão da Nasdaq. A companhia começou o dia avaliada em 35,3 bilhões de dólares.

A nova taxa de sucesso foi obtida após testes realizados em mais de 30 mil voluntários. Apenas 95 pessoas infectadas foram infectadas com a doença após a aplicação da vacina. Entre os casos, 90 voluntários estavam no grupo que recebeu apenas o placebo da vacina, enquanto outras 5 pessoas receberam as duas doses da proteção.

“Muitas pessoas estão preocupadas com o que você obtém com uma vacina contra a gripe, você sabe 50% a 60% eficácia”, disse Bancel. Com os novos resultados, o executivo espera que a vacina ganhe a aprovação da Food and Drug Administration (FDA). O órgão atua como uma Anvisa nos Estados Unidos.

Em agosto, o governo americano fechou um acordo para a compra e entrega de 100 milhões de doses da vacina da Moderna, caso ela se mostrasse bem sucedida nos testes clínicos. Meses depois, a companhia informou que os órgãos de saúde dos Estados Unidos poderiam aprovar o uso emergencial da vacina conforme os resultados obtidos nos testes de novembro.

O mercado, inclusive, já esperava boas notícias neste sentido. Após a divulgação dos resultados eficácia da vacina Pfizer, produzida em parceria com BioNTech, havia a expectativa de que a imunização da Moderna, que usa processos semelhantes de produção, também registrasse uma taxa elevada sucesso nos testes clínicos.

Há uma diferença crucial entre as duas vacinas: a temperatura em que elas precisam estar condicionadas enquanto estão armazenadas. A imunização da Pfizer requer temperatura de armazenamento de 70 graus Celsius abaixo de zero, o que pode ser um problema. Já a vacina da Moderna permanece estável em temperaturas entre 2 e 7 graus – semelhante a de uma geladeira doméstica – por até 30 dias.

Com os novos resultados, a Moderna segue se preparando ativamente para o lançamento global da vacina. Isso pode acontecer já “nas próximas semanas”, segundo a companhia. A Moderna espera que 20 milhões de doses estejam prontas para embarque nos EUA. A previsão é fabricar entre 500 milhões e 1 bilhão de doses no mundo em 2021.

Como estamos?

Das 47 em fases de testes, apenas 10 estão na fase 3, a última antes de uma possível aprovação. São elas a chinesa da Sinovac Biotech, a também chinesa da Sinopharm, a britânica de Oxford em parceria com a AstraZeneca, a americana da Moderna, da Pfizer e BioNTech, a russa do Instituto Gamaleya, a chinesa CanSino, a americana Janssen Pharmaceutical Companies e a também americana Novavax.

Quão eficaz uma vacina precisa ser?

Segundo uma pesquisa publicada no jornal científico American Journal of Preventive Medicine uma vacina precisa ter 80% de eficácia para colocar um ponto final à pandemia. Para evitar que outras aconteçam, a prevenção precisa ser 70% eficaz.

Uma vacina com uma taxa de eficácia menor, de 60% a 80% pode, inclusive, reduzir a necessidade por outras medidas para evitar a transmissão do vírus, como o distanciamento social. Mas não é tão simples assim.

Isso porque a eficácia de uma vacina é diretamente proporcional à quantidade de pessoas que a tomam, ou seja, se 75% da população for vacinada, a proteção precisa ser 70% capaz de prevenir uma infecção para evitar futuras pandemias e 80% eficaz para acabar com o surto de uma doença.

As perspectivas mudam se apenas 60% das pessoas receberem a vacinação, e a eficácia precisa ser de 100% para conseguir acabar com uma pandemia que já estiver acontecendo — como a da covid-19.

Isso indica que a vida pode não voltar ao “normal” assim que, finalmente, uma vacina passar por todas as fases de testes clínicos e for aprovada e pode demorar até que 75% da população mundial esteja vacinada.

 

Clique para Comentar

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Saúde

Vacinação de profissionais da Segurança Pública muda de endereços no DF

Avatar

Publicado

dia

Por

Servidores da linha de frente são imunizados, diariamente, com ‘xepa’ da vacina. ‘Não houve aumento de pontos, apenas redistribuição de alguns locais’, diz GDF; confira endereços por categoria.

Vacina contra a Covid-19 no DF — Foto: TV Globo / Reprodução

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal mudou, na sexta-feira (16), alguns endereços onde os profissionais da área, que atuam na linha de frente ao combate do novo coronavírus, são vacinados contra a Covid-19. Segundo a pasta, “não houve aumento de pontos de recebimento dos imunizantes, apenas a redistribuição de alguns locais” (veja endereços mais abaixo).

No dia 8 de abril, a secretaria havia definido os locais de vacinação para policiais, fiscais, agentes e bombeiros que estão recebendo as doses remanescentes da vacina contra Covid-19, conhecidas como “xepa”. Cada corporação tem um ponto de aplicação específico.

“A alteração ocorreu para atender de forma mais ampla as corporações”, diz o GDF. As regras foram definidas entre as secretarias de Segurança Pública (SSP) e de Saúde (SES), além da Casa Civil e de representantes das corporações atendidas.

Conforme o governo do Distrito Federal, “continua a valer a regra de prioridade para aplicação das vacinas residuais aos servidores que estão na linha de frente, por causa da maior exposição ao risco de contágio e transmissão do vírus”. A distribuição das corporações em relação aos postos foi feita de forma proporcional, ou seja, “aquelas com maior número de servidores terão um maior número de pontos de atendimento”, explicou o secretário de Segurança, Júlio Danilo.

“Serão vacinados aqueles servidores ligados diretamente à escolta e segurança dos postos de vacinação, além dos que atuam nos resgates, atendimento pré-hospitalar e vigilância das medidas de distanciamento social, por exemplo. A idade também é outro quesito que será levado em consideração“, disse o secretário.

Como funciona a vacinação das forças de segurança?

Pessoa é vacinada contra a Covid-19 no DF — Foto: TV Globo / Reprodução

Pessoa é vacinada contra a Covid-19 no DF — Foto: TV Globo / Reprodução.

Para receber a vacina, os servidores precisam se apresentar ao coordenador dos postos de vacinação exclusivos de sua corporação, 30 minutos antes do encerramento das atividades. Conforme a Secretaria de Segurança, “eles darão o apoio necessário e auxilio na organização e segurança do fechamento das unidades de vacinação”.

“O comparecimento não garante a aplicação do imunizante, devendo sempre aguardar a orientação da equipe da Secretaria de Saúde no local”, diz o GDF.

Podem ser vacinados os servidores das seguintes corporações:

  • Policiais Militares (PMDF)
  • Policiais Civis (PCDF)
  • Corpo de Bombeiros (CBMDF)
  • Departamento de Trânsito (Detran-DF)
  • Secretaria de Administração Penitenciária (Seape)
  • Sistema socioeducativo (Sejus)
  • Secretaria de Segurança Pública (SSP)

Novos endereços

A Regional de Santa Maria, que atendia os servidores do Detran, agora vacina a PMDF. A UBS 1, do Núcleo Bandeirante, que atendia a PCDF, também passou a atender os policiais militares.

O Ginásio São Bartolomeu, que vacinava os servidores da Seape, passou a atender, exclusivamente, os bombeiros. Os agentes da Seape passaram a ser vacinados na UBS 1, do Guará.

Policiais civis devem procurar a UBS 4, do Guará. Servidores do Detran são vacinados na UBS 2 de Sobradinho II.

Veja endereços por categoria

  • PMDF: Paranoá; Regional de Santa Maria; UBS 1, na Asa Sul; UBS 1, na Candangolândia; UBS 4, no Guará; UBS 2, na Estrutural; UBS 1, no Riacho Fundo II; UBS 2, no Riacho Fundo II; UBS 1, em Brazlândia; UBS 7, em Ceilândia; UBS 17, em Ceilândia; UBS 1, no Gama; Assembleia de Deus de Santa Maria; UBS 1, em Sobradinho I; UBS 2, em Samambaia; UBS 1, no Núcleo Bandeirante; Administração Regional de Samambaia; e UBS 1, em Taguatinga.
  • CBMDF: Policlínica, no Lago Sul; UBS 1, no Riacho Fundo; UBS 16, em Ceilândia; UBS 3, no Gama; UBS 2, em Santa Maria; Casa Vivência, em Planaltina; UBS 3, no Recanto das Emas; UBS 7, em Samambaia; UBS 5, em Taguatinga; e Ginásio São Bartolomeu, em São Sebastião.
  • PCDF: UBS 1, no Lago Norte; UBS 3, no Guará; UBS 5, em Ceilândia; UBS 5, no Gama; UBS 2, no Itapoã; UBS 5, em Planaltina; Estacionamento Bezerrão, no Gama; e UBS 4, no Guará.
  • Seape: Centro de Práticas, no Jardim Botânico; e UBS 1, no Guará.
  • Sistema socioeducativo: UBS 2, na Asa Norte.
  • Detran: UBS 2, de Sobradinho e UBS 3, de Ceilândia.
  • SSP: UBS 2 do Cruzeiro; e UBS 2 do Guará.

 

Continue Lendo

Saúde

Queda capilar após recuperação de Covid-19: há com o que se preocupar?

Avatar

Publicado

dia

Por

Queda pode persistir por até 6 meses após a doença, mas há tratamentos que podem regularizar o processo de crescimento em tempo menor

Após se recuperarem da infecção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) e estarem “saudáveis”, inúmeros pacientes relatam uma série de sintomas da COVID-19 de longa duração, como fadiga, dores de cabeça e queda de cabelo, por exemplo. Em especial, a perda dos fios pode perdurar por meses após a recuperação da doença e alguns tratamentos podem melhorar o processo.

De acordo com uma revisão sistemática — uma análise de inúmeros estudos científicos sobre um mesmo tema —, um grupo de pesquisadores dos EUA, Suécia e México avilou o efeito de longo prazo da COVID-19 em mais de 47 mil pacientes recuperados e estimou a prevalência de cada sintoma registrado. Esta análise foi publicada em forma de preprint —  sem revisão por pares —  na plataforma MedRxiv.

No geral, os pesquisadores estimaram que 80% dos pacientes que foram infectados pelo coronavírus desenvolveram um ou mais sintomas da infecção de longo prazo. Dessa lista, os cinco sintomas mais comuns foram: fadiga (58%); cefaleia/dores de cabeça (44%); distúrbio de atenção (27%); queda de cabelo (25%); e dispneia (24%).

Por que o cabelo pode cair como efeito da COVID-19?

De acordo com a análise sistemática, a perda de cabelos pode acometer 25% dos pacientes que se recuperaram da COVID-19. Sobre esse sintoma da COVID-19, dermatologista da Mais Cabello, Carla Nogueira, explica que “a queda de cabelo aguda é chamada de Eflúvio Telógeno e também pode ser observada em doenças como Zika e chikungunya, além de outras viroses importantes que causam esse estresse fisiológico”.

Por mais inusitado que possa parecer ter queda de cabelo a partir de um vírus, a dermatologista comenta que o “o eflúvio telógeno agudo ocorre devido a uma reação do próprio organismo ao vírus, levando à alteração do ciclo capilar”. Para entender como isso acontece, é importante compreender duas fases do ciclo capilar: a fase anágena; e a fase telógena.

Queda de cabelo em pacientes da COVID-19 é uma reação do próprio corpo ao coronavírus (Imagem: Reprodução/ Daniel Roberts/ Pixabay).

Durante a fase anágena —  ou estágio ativo —, acontece o crescimento dos fios no couro cabeludo, o que pode se prolongar de dois a quatro anos. Por outro lado, a fase telógena do ciclo capilar é também conhecida como a fase de repouso, onde é normal a queda dos cabelos. “O que ocorre nesses casos é que mais fios entram na fase de repouso após a infecção viral, caindo em maior quantidade nos próximos três a seis meses subsequentes ao quadro”, pontua Nogueira.

O pode ajudar na queda de cabelo pelo coronavírus?

De acordo com a dermatologista, “o eflúvio telógeno, nesses casos de infecção pelo coronavírus, é temporário e reversível”. No entanto, independente de tratamentos realizados pelo paciente, “será preciso aguardar de três a seis meses para que o ciclo capilar retorne para sua atividade normal”, explica a doutora.

Neste período de recuperação do ciclo natural do cabelo, “a orientação é higiene do couro cabeludo, de forma frequente, com uso de xampus para cada tipo de fio, visando reduzir acúmulo de resíduos e evitar a oleosidade do couro cabeludo”, afirma Nogueira.

Em paralelo, é possível adotar algumas fórmulas para melhorar a estrutura dos novos fios e pensar em uma suplementação alimentar. “Podemos utilizar formulações orais com o intuito de melhorar a estrutura dos novos fios que virão a nascer após o reestabelecimento do ciclo capilar, assim como a orientação de melhora do aporte nutricional dos pacientes através da melhora da alimentação. Sempre com o acompanhamento de um dermatologista de confiança”, completa a médica.

Para conferir o preprint sobre a queda de cabelo como um sintoma do pós-COVID-19, publicado na plataforma MedRxiv, clique aqui.

Continue Lendo

Saúde

Governo, Estados e Anvisa intensificam conversas sobre compra da Sputnik V

Avatar

Publicado

dia

Por

União Química apresentou na semana passada o primeiro lote da vacina produzida 100% em território nacional; no entanto, ainda não há autorização para o uso emergencial do imunizante no Brasil

Representantes estaduais se encontraram com diretores da Anvisa e cobraram agilidade no processo de aprovação

Governadores voltam a se reunir nesta quarta-feira, 6, com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para estabelecer ações que viabilizem a importação da Sputnik V. Esta terça-feira foi um dia de movimentações para tratativas da liberação do imunizante russo. Ao todo, 12 representantes estaduais se encontraram com diretores da agência e cobraram agilidade no processo de aprovação. Para alguns governadores, a Anvisa tem travado a compra por questões burocráticas. Rui Costa, da Bahia, disse que falta consideração, por parte da agência, com a vida humana. O governador do Piauí, Wellington Dias, destacou a importância da aprovação do imunizante. “A decisão da Anvisa é que garante que a gente tenha condição de em abril ter vacinas da Sputnik V nesse contrato com os Estados e o Ministério da Saúde.”

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que conversou por telefone com o presidente russo Vladimir Putin para tratar da compra da Sputnik V. “Acabei de receber um telefone do presidente Putin, um dos assuntos mais importantes que tratamos aqui é a possibilidade de nós virmos a receber a vacina Sputnik daquele país. Se Deus quiser, brevemente, estaremos resolvendo essa questão da vacina Sputnik. No momento, agradeço o presidente Putin pela maneira que tratou esse assunto com o Brasil”, disse.

O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, reiterou que vai enviar uma equipe para inspecionar as instalações e condições de produção da vacina. Ele frisou a importância da viagem, mas não disse que seria determinante para liberação da importação. “A visita à Rússia esclarece pontos, busca esclarecer pontos fundamentais. Existem possibilidades de importação excepcional, mas fazem parte de vários dentes dessa engrenagem. Então com certeza essa visita vai ser muito esclarecedora.” A União Química apresentou na semana passada o primeiro lote da vacina produzida 100% em território nacional. No entanto, ainda não há autorização para o uso emergencial do imunizante. O pedido já foi feito pela empresa e segue aguardando o aval da Anvisa.

Continue Lendo

Saúde

CoronaVac é eficaz contra variante brasileira do coronavírus, mostra estudo

Avatar

Publicado

dia

Por

Pesquisa do grupo Vebra Covid-19 contou com a participação de 67.718 trabalhadores de saúde de Manaus, um dos locais onde a nova cepa é predominante

Expectativa é manter a pesquisa para avaliar a eficácia da vacina após 14 dias da segunda aplicação

A vacina CoronaVac é eficaz contra a variante P.1 do coronavírus, descoberta em Manaus, no Amazonas. Dados divulgados nesta quarta-feira, 7, apontam que a vacina demonstrou eficácia de 50% para prevenir o adoecimento dos imunizados após 14 dias da primeira dose do composto. O estudo do grupo Vebra Covid-19 contou com a participação de 67.718 trabalhadores de saúde moradores da capital amazonense, um dos locais onde a nova cepa é predominante. Segundo os pesquisadores, os resultados são “encorajadores”, pois mostram que redução do risco de doença mesmo em cenários com prevalência da variante brasileira.

A descoberta acontece em um momento que outros países da América do Sul começam a registrar casos da P.1. No Peru, a cepa é responsável por cerca de 40% das novas infecções em Lima; no Uruguai o índice é de 30% entre os novos casos registrados, enquanto o Paraguai a incidência chega a 50%. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), outras nações do mundo já registraram a variante brasileira, como Estados Unidos, Japão, México, Reino Unido, Espanha, Itália, França e Índia, o que demonstra a importância da eficácia do imunizante também para outros países. “Esses achados apoiam o uso contínuo dessa vacina [CoronaVac] no Brasil e em outros países com a circulação da mesma variante”, afirmam os pesquisadores em nota.

Agora, a expectativa do grupo é manter a pesquisa para avaliar a eficácia da vacina, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, após 14 dias da segunda aplicação. Estudos para mensurar a efetividade da CoronaVac, assim como do imunizante da AstraZeneca/Oxford, em idosos também serão realizados em Manaus, Campo Grande, São Paulo e no Estado de São Paulo. O grupo Vebra Covid-19, responsável pela análise, envolve pesquisadores de nacionais e internacionais, servidores da secretaria de saúde do Estado do Amazonas e de São Paulo e também de da secretária de saúde de Manaus e da capital paulista.

Continue Lendo

Saúde

Covid-19: Saúde troca direção do Comitê de Vacinação

Avatar

Publicado

dia

Por

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Divino Valero, assume a coordenação do comitê. O posto era ocupado pelo secretário-adjunto de assistência à Saúde, Petrus Sanchez

O comitê foi criado em janeiro para acompanhar a campanha de vacinação contra a covid-19 – (crédito: LOIC VENANCE / AFP)

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal realizou uma troca no comando do Comitê de Operacionalização da Vacinação contra covid-19. Segundo portaria publicada em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF) de segunda-feira (5/4), o cargo antes ocupado pelo secretário-adjunto de assistência à Saúde, Petrus Sanchez, passa a ser do subsecretário de Vigilância em Saúde, Divino Valero.

Além disso, a estrutura do comitê foi reduzida. Agora, participará apenas um membro de cada subsecretaria, sendo elas: Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS);  Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde (SAIS); Subsecretaria de Gestão de Pessoas (SUGEP); e Subsecretaria de Infraestrutura em Saúde (SINFRA). O Comitê funciona desde 18 de janeiro de 2021, um dia antes do início da vacinação contra covid-19 no DF.

 A troca ocorre após a vacinação para idosos ser interrompida por falta de doses. Agora, a Secretaria de Saúde aguarda receber mais 10 mil doses de imunizantes neste quarta-feira (7/4) para, então, avaliar se haverá uma ampliação da campanha.

Continue Lendo

Saúde

Saúde divulga aposentados pré-aprovados para atuar no combate à covid-19

Avatar

Publicado

dia

Por

A lista foi publicada no Diário Oficial do DF desta terça-feira (6/4). São 250 vagas e o resultado definitivo está previsto para 15 de abril

Os servidores vão auxiliar no combate à covid-19 em hospitais e postos do DF – (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal publicou, nesta terça-feira (6/4), a lista dos servidores aposentados pré-aprovados para auxiliar no atendimento ao público com covid-19 na rede pública. A lista dos 250 aprovados foi publicada no Diário Oficial do DF.

O candidato que desejar entrar com recurso contra a nota preliminar ou eliminação do processo seletivo tem um prazo de três dias, das 0h de 7 de abril de às 23h 59min de 9 de abril. Para o recurso, o candidato terá que enviar a solicitação por meio de formulário oficial, para o e-mail: recursosesdf@gmail.com sob o título “Recurso: Processo Seletivo Simplificado Emergencial”.

O formulário pode ser acessado no site da Secretária de Saúde.  Recursos inconsistentes, ilegíveis e em formulário diferente do exigido serão negados. Além disso, não serão aceitos recursos enviados após o prazo estipulado.

A publicação do resultado final está prevista para 15 de abril.  Confira aqui a lista dos pré-aprovados.

Continue Lendo

Viu isso?