Home » Aconteceu » Mais um vereador é assassinado a tiros em município do Rio de Janeiro

Mais um vereador é assassinado a tiros em município do Rio de Janeiro

Ciraldo Fernandes da Silva (DEM) foi morto com sete tiros, de acordo com o Disque Denúncia

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) abriu inquérito e investiga as causas da morte do vereador da Câmara Municipal de Araruama, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. Na noite deste domingo (8/9), Ciraldo Fernandes da Silva (DEM) foi morto com sete tiros, de acordo com o Disque Denúncia.

De acordo com o portal, Ciraldo estava em um bingo, por volta das 19h25, quando dois homens passaram em uma moto e os disparos foram efetuados. O vereador morreu na hora. O crime ocorreu em Araruama, no bairro Fazendinha.

Ainda segundo o Disque Denúncia, Ciraldo era dono de uma loja de material de construção. A hipótese levantada pelas investigações é que o vereador teria se recusado a pagar propina a traficantes. O caso é investigado pela 118ª DP (Araruama). A investigação corre sob sigilo.

O Disque Denúncia divulgou um cartaz de quem teria matado o político. Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação dos envolvidos pode entrar em contato através do WhatsApp ou Telegram do Portal dos Procurados no número (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox); ou pelo atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177 e 0300 253 1177, ou pelo aplicativo para celular. É mantido o anonimato do denunciante.

Mortes de vereadores
Há menos de um mês, um outro vereador foi encontrado morto no estado carioca. No último dia 22, Ismael Breve (DEM-RJ), de 59 anos, e o filho dele, Thiago Martins, foram mortos a tiros, em casa, em Maricá.

Em março, o vereador Wendel Andrei de Lima Coelho (PT do B), do município de Japeri, na Baixada Fluminense, foi assassinado a tiros. Segundo informações da Secretaria de Estado de Polícia Militar, agentes encontraram o vereador morto dentro do carro em que viajava, no bairro de Engenheiro Pedreira, em Japeri.

No ano passado, outro assassinato com repercusão nacional continua sem solução até hoje. A vereadora Marielle Franco (PSol) e o motorista dela, Anderson Gomes, foram executados em uma emboscada. Dois suspeitos são apontados como os autores, mas a polícia ainda não esclareceu quem seriam os mandantes.

Redação Brasil (m)

Login

Perdeu sua senha?