Conecte-se a nossa Rede

Saúde

Associação alerta para risco de faltar seringa no Brasil para vacinar

Avatar

Publicado

dia

Associação Brasileira de Artigos e Equipamentos Médicos diz que não há estoque suficiente e que seriam necessários de três a cinco meses para produzir à altura da demanda

(crédito: Natalia KOLESNIKOVA / AFP)

A demora na apresentação de um plano definitivo para a aplicação da vacina contra a covid-19 por parte do Ministério da Saúde pode colocar o Brasil na posição de ter o imunizante, mas não ter seringas em número suficiente para vacinação em massa. O alerta foi feito na segunda-feira, 7, pelo superintendente da Associação Brasileira de Artigos e Equipamentos Médicos (Abimo), Paulo Henrique Fraccaro.
O setor não tem estoque de seringas e precisa de três a cinco meses para atender a grandes demandas. Desde julho, segundo Fraccaro, a Abimo alerta o governo para esse problema, mas até agora não recebeu encomendas nem um cronograma. O superintendente diz que a situação pode levar a um atraso considerável nas campanhas de vacinação. “Em julho, levamos essa preocupação ao governo federal”, contou Fraccaro. “Em agosto, o governo organizou uma reunião com os três fabricantes, mas, dai para frente, nada mais aconteceu de concreto. E já estamos em dezembro; isso deveria estar decidido no máximo em setembro.”
Há uma semana, quando apresentou um plano preliminar para vacinação contra a covid, o Ministério da Saúde afirmou que estava abrindo licitação para compra de 331 milhões de seringas. O ministério foi procurado nesta segunda-feira, mas não se manifestou.
Segundo Fraccaro, as três empresas brasileiras que fabricam seringas têm capacidade de produzir de 120 a 140 milhões de seringas por mês. No entanto, essa produção atual já está toda comprometida com a demanda normal do setor. Tampouco há produção excedente para estoque. “Se for necessário, podemos produzir de 18 a 20 milhões a mais de seringas por mês, mas para uma quantidade maior tem de ter todo um planejamento”, explicou Fraccaro. “Já deveríamos estar com esses pedidos nas mãos.”
Coordenação
Um outro problema, segundo o superintendente, é que, diante da indefinição do governo federal, os Estados começam a fazer encomendas por conta própria, sem uma coordenação nacional.
“A minha preocupação é que alguns Estados, já prevendo essa demora de decisão por parte do governo federal, começaram a fazer encomendas”, contou Fraccaro. “Isso é muito confuso porque os Estados querem comprar de uma vez tudo o que vão precisar para o ano todo, e vão sobrecarregar as indústrias de pedidos; o ideal seria termos um pedido do governo federal e um cronograma para a entrega das seringas ao longo dos meses.”
De fato, a responsabilidade pela compra de insumos é dos Estados e dos municípios, como o Ministério da Saúde alegou. No entanto, em uma situação de pandemia e vacinação em massa de toda a população, a organização do governo federal seria crucial para o sucesso da empreitada.
Existe sempre a opção de importar seringas, mas, alerta Fraccaro, os preços já estão mais altos por causa da grande demanda. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 

Clique para Comentar

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Saúde

Governo, Estados e Anvisa intensificam conversas sobre compra da Sputnik V

Avatar

Publicado

dia

Por

União Química apresentou na semana passada o primeiro lote da vacina produzida 100% em território nacional; no entanto, ainda não há autorização para o uso emergencial do imunizante no Brasil

Representantes estaduais se encontraram com diretores da Anvisa e cobraram agilidade no processo de aprovação

Governadores voltam a se reunir nesta quarta-feira, 6, com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para estabelecer ações que viabilizem a importação da Sputnik V. Esta terça-feira foi um dia de movimentações para tratativas da liberação do imunizante russo. Ao todo, 12 representantes estaduais se encontraram com diretores da agência e cobraram agilidade no processo de aprovação. Para alguns governadores, a Anvisa tem travado a compra por questões burocráticas. Rui Costa, da Bahia, disse que falta consideração, por parte da agência, com a vida humana. O governador do Piauí, Wellington Dias, destacou a importância da aprovação do imunizante. “A decisão da Anvisa é que garante que a gente tenha condição de em abril ter vacinas da Sputnik V nesse contrato com os Estados e o Ministério da Saúde.”

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que conversou por telefone com o presidente russo Vladimir Putin para tratar da compra da Sputnik V. “Acabei de receber um telefone do presidente Putin, um dos assuntos mais importantes que tratamos aqui é a possibilidade de nós virmos a receber a vacina Sputnik daquele país. Se Deus quiser, brevemente, estaremos resolvendo essa questão da vacina Sputnik. No momento, agradeço o presidente Putin pela maneira que tratou esse assunto com o Brasil”, disse.

O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, reiterou que vai enviar uma equipe para inspecionar as instalações e condições de produção da vacina. Ele frisou a importância da viagem, mas não disse que seria determinante para liberação da importação. “A visita à Rússia esclarece pontos, busca esclarecer pontos fundamentais. Existem possibilidades de importação excepcional, mas fazem parte de vários dentes dessa engrenagem. Então com certeza essa visita vai ser muito esclarecedora.” A União Química apresentou na semana passada o primeiro lote da vacina produzida 100% em território nacional. No entanto, ainda não há autorização para o uso emergencial do imunizante. O pedido já foi feito pela empresa e segue aguardando o aval da Anvisa.

Continue Lendo

Saúde

CoronaVac é eficaz contra variante brasileira do coronavírus, mostra estudo

Avatar

Publicado

dia

Por

Pesquisa do grupo Vebra Covid-19 contou com a participação de 67.718 trabalhadores de saúde de Manaus, um dos locais onde a nova cepa é predominante

Expectativa é manter a pesquisa para avaliar a eficácia da vacina após 14 dias da segunda aplicação

A vacina CoronaVac é eficaz contra a variante P.1 do coronavírus, descoberta em Manaus, no Amazonas. Dados divulgados nesta quarta-feira, 7, apontam que a vacina demonstrou eficácia de 50% para prevenir o adoecimento dos imunizados após 14 dias da primeira dose do composto. O estudo do grupo Vebra Covid-19 contou com a participação de 67.718 trabalhadores de saúde moradores da capital amazonense, um dos locais onde a nova cepa é predominante. Segundo os pesquisadores, os resultados são “encorajadores”, pois mostram que redução do risco de doença mesmo em cenários com prevalência da variante brasileira.

A descoberta acontece em um momento que outros países da América do Sul começam a registrar casos da P.1. No Peru, a cepa é responsável por cerca de 40% das novas infecções em Lima; no Uruguai o índice é de 30% entre os novos casos registrados, enquanto o Paraguai a incidência chega a 50%. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), outras nações do mundo já registraram a variante brasileira, como Estados Unidos, Japão, México, Reino Unido, Espanha, Itália, França e Índia, o que demonstra a importância da eficácia do imunizante também para outros países. “Esses achados apoiam o uso contínuo dessa vacina [CoronaVac] no Brasil e em outros países com a circulação da mesma variante”, afirmam os pesquisadores em nota.

Agora, a expectativa do grupo é manter a pesquisa para avaliar a eficácia da vacina, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, após 14 dias da segunda aplicação. Estudos para mensurar a efetividade da CoronaVac, assim como do imunizante da AstraZeneca/Oxford, em idosos também serão realizados em Manaus, Campo Grande, São Paulo e no Estado de São Paulo. O grupo Vebra Covid-19, responsável pela análise, envolve pesquisadores de nacionais e internacionais, servidores da secretaria de saúde do Estado do Amazonas e de São Paulo e também de da secretária de saúde de Manaus e da capital paulista.

Continue Lendo

Saúde

Covid-19: Saúde troca direção do Comitê de Vacinação

Avatar

Publicado

dia

Por

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Divino Valero, assume a coordenação do comitê. O posto era ocupado pelo secretário-adjunto de assistência à Saúde, Petrus Sanchez

O comitê foi criado em janeiro para acompanhar a campanha de vacinação contra a covid-19 – (crédito: LOIC VENANCE / AFP)

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal realizou uma troca no comando do Comitê de Operacionalização da Vacinação contra covid-19. Segundo portaria publicada em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF) de segunda-feira (5/4), o cargo antes ocupado pelo secretário-adjunto de assistência à Saúde, Petrus Sanchez, passa a ser do subsecretário de Vigilância em Saúde, Divino Valero.

Além disso, a estrutura do comitê foi reduzida. Agora, participará apenas um membro de cada subsecretaria, sendo elas: Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS);  Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde (SAIS); Subsecretaria de Gestão de Pessoas (SUGEP); e Subsecretaria de Infraestrutura em Saúde (SINFRA). O Comitê funciona desde 18 de janeiro de 2021, um dia antes do início da vacinação contra covid-19 no DF.

 A troca ocorre após a vacinação para idosos ser interrompida por falta de doses. Agora, a Secretaria de Saúde aguarda receber mais 10 mil doses de imunizantes neste quarta-feira (7/4) para, então, avaliar se haverá uma ampliação da campanha.

Continue Lendo

Saúde

Saúde divulga aposentados pré-aprovados para atuar no combate à covid-19

Avatar

Publicado

dia

Por

A lista foi publicada no Diário Oficial do DF desta terça-feira (6/4). São 250 vagas e o resultado definitivo está previsto para 15 de abril

Os servidores vão auxiliar no combate à covid-19 em hospitais e postos do DF – (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal publicou, nesta terça-feira (6/4), a lista dos servidores aposentados pré-aprovados para auxiliar no atendimento ao público com covid-19 na rede pública. A lista dos 250 aprovados foi publicada no Diário Oficial do DF.

O candidato que desejar entrar com recurso contra a nota preliminar ou eliminação do processo seletivo tem um prazo de três dias, das 0h de 7 de abril de às 23h 59min de 9 de abril. Para o recurso, o candidato terá que enviar a solicitação por meio de formulário oficial, para o e-mail: recursosesdf@gmail.com sob o título “Recurso: Processo Seletivo Simplificado Emergencial”.

O formulário pode ser acessado no site da Secretária de Saúde.  Recursos inconsistentes, ilegíveis e em formulário diferente do exigido serão negados. Além disso, não serão aceitos recursos enviados após o prazo estipulado.

A publicação do resultado final está prevista para 15 de abril.  Confira aqui a lista dos pré-aprovados.

Continue Lendo

Saúde

Pfizer diz que sua vacina contra covid é 100% eficaz em adolescentes

Avatar

Publicado

dia

Por

Estudo foi realizado com adolescentes de 12 a 15 anos

Vacina: a pesquisa em Israel mostra que duas doses da vacina da Pfizer reduzem os casos sintomáticos de covid-19 em 94% dentro de todos os grupos etários (Dado Ruvic/Reuters)

A Pfizer anunciou nesta terça-feira, 31, que sua,vacina contra a covid-19 desenvolvida junto à BioNTech é 100% eficaz para adolescentes de 12 a 15 anos. Por isso, os laboratórios, nas próximas semanas, vão solicitar à Agência de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) e à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) autorização para uso do imunizante na faixa etária agora testada.

“Compartilhamos a urgência de expandir a autorização de nossa vacina para uso em populações mais jovens e somos encorajados pelos dados de ensaios clínicos de adolescentes com idades entre 12 e 15 anos”, diz Albert Bourla, presidente e CEO da Pfizer, em nota. “Planejamos enviar esses dados ao FDA como uma emenda proposta à nossa autorização de uso emergencial nas próximas semanas e a outros reguladores em todo o mundo, com a esperança de começar a vacinar essa faixa etária antes do início do próximo ano letivo”, acrescenta.

De acordo com o comunicado disponibilizado à imprensa, o ensaio com adolescentes de 12 a 15 anos envolveu 2.260 pessoas. Delas, 1.129 foram do chamado grupo de placebo, com 18 confirmações de covid-19. No grupo vacinado, com 1,131 adolescentes, ninguém contraiu a doença. Os efeitos colaterais relatados foram “geralmente consistentes” com aqueles observados em participantes de 16 a 25 anos de idade.

A vacina contra o novo coronavírus da Pfizer em parceria com a BionNTech é a única a ter autorização para uso definitivo no Brasil, mas, até o momento nenhuma dose do imunizante foi administrada no País. Nos Estados Unidos, o laboratório tem autorização apenas de uso emergencial.

Continue Lendo

Saúde

Saúde amplia vacinação contra a covid-19 para pessoas com HIV e Aids

Avatar

Publicado

dia

Por

A decisão irá contemplar pessoas que vivem com o vírus na faixa etária entre 18 e 59 anos

(crédito: Farooq Naeem/AFP – 30/11/13)

Pessoas que vivem com HIV agora estão incluídas nas prioridades para receber a vacina contra a covid-19. O Ministério da Saúde atualizou, nesta terça-feira (30/3), as recomendações para incluir a população soropositiva entre 18 e 59 anos ao grupo de comorbidades definido no Programa Nacional de Imunização (PNI).

“A partir dessa iniciativa será possível reduzir o impacto da pandemia nesse grupo, especialmente em relação ao risco de hospitalização e óbito, e respeitar o conceito de equidade do Sistema Único de Saúde (SUS)”, justifica o ministério.

Como forma de comprovar as condições, os contemplados podem solicitar declaração nominal nas Unidades Dispensadoras de Medicamentos (UDM), documento a ser apresentado no local de vacinação. Relatórios, prescrição médica, exames e receituário dos antirretrovirais também serão aceitos.

Na versão anterior, estavam incluídas apenas pessoas com doenças autoimunes, não havendo especificações. No caso do público que vive com HIV, mas tem a partir de 60 anos, a inclusão não se fez necessária, já que faz parte do grupo prioritário de idosos, contemplados na primeira fase. No entanto, pessoas soropositivas e menores de idade não fazem parte do grupo prioritário, já que as vacinas atualmente incluídas no PNI não possuem indicação para menores de 18 anos.

A vacinação também não é recomendada para indivíduos com hipersensibilidade ao princípio ativo ou a qualquer dos excipientes da vacina; ou até mesmo para aquelas pessoas que apresentaram uma reação anafilática confirmada a uma dose anterior a da mesma vacina covid-19.

Continue Lendo

Viu isso?