Home » Educação » Carreira » No setor químico, estas são as 4 melhores empresas para trabalhar no país

No setor químico, estas são as 4 melhores empresas para trabalhar no país

Segundo o Guia Melhores Empresas para Trabalhar da Você S/A, a BASF é a melhor empresa do setor químico e petroquímico do Brasil

No ano passado, a multinacional do setor químico Basf, sediada em São Paulo, contratou a primeira funcionária trans, Amanda, que tem o nome social usado no crachá, no e-mail corporativo e nos comunicados internos. A iniciativa é reflexo de uma série de ações da companhia para aumentar a contratação e a inclusão de públicos diversos. Um exemplo é a organização de grupos de afinidade, abertos a qualquer interessado, para debater iniciativas que promovam oportunidades igualitárias para todos os perfis. É o caso do Women in Business, que discute gênero; do Be Yourself at Basf, que aborda demandas da população LGBT+; e do Black Inclusion Group, voltado para as questões étnico-raciais. Existe também a comunidade dedicada às necessidades de pessoas com deficiência. Além de orientar os gestores sobre a importância de ter equipes mais plurais, a Basf passou a trabalhar, nos últimos anos, com metas de diversidade, fazendo o acompanhamento dos indicadores internos relacionados ao tema. Duas delas são aumentar de 31% para 35% a porcentagem de mulheres em cargos de liderança até 2021, e de 20% para 22% a presença de negros nessas posições no mesmo período. | basf.com | Visita: Marcia Kedouk, em São Paulo (SP)


PONTOS POSITIVOS

Neste ano, as vagas para as posições de gerente sênior e diretor também passaram a ser anunciadas no sistema de recrutamento interno, que mostra vagas disponíveis nos sites da empresa em todo o mundo.


PONTOS A MELHORAR

Alguns gestores avaliam o desempenho anual de funcionários usando critérios subjetivos, o que gera a percepção de favorecimento a determinados profissionais. A velocidade de carreira é considerada lenta.


DOW BRASIL

Canal de comunicação exclusivo, reuniões mais frequentes entre os gestores, encontros periódicos de funcionários com a liderança para o esclarecimento de qualquer dúvida, evento reunindo todo o departamento comercial. Essas foram algumas das ações promovidas pela Dow, companhia americana, para informar os detalhes sobre a fusão da empresa com a DuPont, outra gigante do setor químico, em uma operação bilionária, concluída em setembro de 2017, que deu origem à holding DowDuPont. “Os líderes comunicavam cada passo”, diz um empregado do grupo operacional. “Nem que fosse para dizer que algo ainda não tinha sido definido.” A transparência nas relações é um dos pontos positivos destacados pelos times. Eles sentem que há liberdade para expressar o que pensam e autonomia para participar das decisões. Essa percepção é reforçada pela existência de vários comitês internos abertos a não gestores que debatem assuntos estratégicos, como participação nos lucros e resultados, saúde e qualidade de vida, administração de crise, cidadania corporativa e, o mais recente, experiência do funcionário, focado em desenvolver ações que inspirem, retenham e melhorem o bem-estar de quem trabalha ali. br.dow.‌com Visita: Marcia Kedouk, em  São Paulo (SP)


PONTOS POSITIVOS

A empresa procura garantir a representatividade de grupos minoritários em processos seletivos. de 2008 a 2017, o número de mulheres na liderança cresceu 150% — o de homens manteve-se estável.


PONTOS A MELHORAR

O cartão que dá direito a descontos em farmácias é aceito em um número restrito de estabelecimentos, e a rede credenciada do plano odontológico poderia contar com o serviço de mais profissionais.


BAYER

A compra da Monsanto foi concluída em junho de 2018, dois anos após seu anúncio pelo grupo farmacêutico e agroquímico alemão. Como parte das tratativas da aquisição, no valor de 63  bilhões de dólares, a Bayer vendeu o segmento de sementes e herbicidas para a Basf. Para tranquilizar os empregados em meio a tantas mudanças, transparência é a palavra-chave. Além de disparar uma série de e-mails informativos internos, a companhia criou um comitê especial para tirar dúvidas sobre a integração entre as duas empresas. Diversidade é outra pauta importante. Para debater ações que possam ser implementadas, a Bayer organiza fóruns com membros do RH, da comunicação, da presidência e de profissionais negros ou LGBT+. Os grupos BayAfro e Blend, liderados por funcionários que se identificam com o tema, promovem discussões sobre melhorias no ambiente de trabalho. Uma parceria com a consultoria de recrutamentos EmpregueAfro, focada na diversidade étnico-racial, conseguiu que 53% dos candidatos ao programa de estágio fossem negros. Theo van der Loo, que deixou a presidência da Bayer no Brasil em setembro de 2018 para se aposentar, era considerado carismático, inspirador e defensor da diversidade. |bayer.com.br Visita: Renata Costa, em São Paulo (SP)


PONTOS POSITIVOS

No plano de previdência privada, o Previbayer, o funcionário contribui com um valor proporcional ao salário, e a empresa efetua duas contribuições adicionais. O plano de carreira é estruturado e claro.


PONTOS A MELHORAR

Como reconhecimento, os empregados são convidados a representar
a empresa em eventos externos, como feiras e palestras, mas os convites não se estendem ao pessoal do operacional, que desconhece as ações.


COVESTRO

Em 2017, os funcionários dessa multinacional alemã, líder mundial na produção de polímeros, ganharam quatro salários a mais, além do 13o. O bônus robusto é resultado do ótimo momento da companhia. Antes de ser a Covestro, ela funcionava como um departamento dentro da Bayer. Segundo os funcionários, tornar-se empresa independente, três anos atrás, só fez bem aos negócios — que, mesmo com o país em marcha lenta, cresceu 15% em 2017. “Na Bayer, não éramos prioridade”, diz um empregado. Como a Covestro tem apenas 105 trabalhadores, as equipes se conhecem e acompanham as etapas de trabalho umas das outras. Enquanto a alta gestão passou por treinamentos na Alemanha, a média foi capacitada no Brasil. O objetivo era adaptar a liderança à nova cultura, que prega às pessoas o compartilhamento de opiniões e o questionamento do status quo. “Investimos 1,5 milhão de reais em desenvolvimento”, diz Adriana Del Monaco Gaban, diretora de RH. Como a estrutura é pequena, há limitação para crescer. Preocupada em como isso afetaria a motivação e o engajamento, a companhia decidiu mostrar que a carreira na organização é internacionalizada. Se não há vagas aqui, é possível aplicar-se para postos fora do país. | covestro.com Visita: Mariana Poli, em São Paulo (SP)


PONTOS POSITIVOS

Em março, a empresa colocou o time comercial em home office. Os profissionais receberam até 1 700 reais para equipar seus escritórios em casa. fora o auxílio mensal para internet e energia, de 130 reais.


PONTOS A MELHORAR

A empresa poderia ser mais atuante no quesito diversidade. Embora
existam ações na matriz, a subsidiária brasileira não tem nenhum programa para estimular a presença de negros ou do público LGBT+.

Fonte Exame

 

Redação Brasil (m)

Login

Perdeu sua senha?