Home » Mundo » Ámerica Latina » Guaidó visitou Washington e se reuniu com representantes de Trump

Guaidó visitou Washington e se reuniu com representantes de Trump

Segundo um porta-voz da Casa Branca, “representantes do governo falaram com Guaidó em várias ocasiões”, inclusive durante sua visita a Washington

Washington – O líder do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, visitou Washington em dezembro do ano passado e se reuniu com funcionários do governo do presidente americano, Donald Trump, no seu primeiro contato conhecido com a Casa Branca que, um mês depois, reconheceria-lhe como o líder legítimo da Venezuela.

Um porta-voz da Casa Branca, que pediu anonimato, confirmou nesta segunda-feira à Agência Efe que “representantes do governo falaram com Guaidó em várias ocasiões, inclusive durante sua visita de dezembro a Washington”.

A fonte não quis esclarecer quais funcionários receberam Guaidó, e disse apenas que os encontros aconteceram pessoalmente.

Quando questionada se Guaidó se reuniu também em dezembro com o senador republicano Marco Rubio, uma peça influente na política de Washington para a América Latina, uma porta-voz do legislador respondeu de forma negativa.

A visita de Guaidó, que segundo informações da imprensa também viajou em dezembro a Colômbia e Brasil, aconteceu em um momento no qual a oposição venezuelana preparava uma estratégia diante da iminente posse do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, para um segundo mandato.

O grosso da oposição venezuelana não participou das eleições que deram a vitória a Maduro no ano passado por considerá-las fraudulentas e vários governos estrangeiros não reconheceram esses pleitos como legítimos.

Quando visitou Washington, Guaidó ainda não tinha assumido como chefe da Assembleia Nacional (AN, parlamento), de contundente maioria opositora e que designou o jovem deputado para esse cargo no último dia 5 de janeiro.

Guaidó, de 35 anos, acabou nesse posto depois que outros três dirigentes com maior influência no seu partido, o Vontade Popular (VP), foram tirados do jogo político de diferentes formas, todas relacionadas com a perseguição chavista, segundo eles mesmos alegam.

No dia 23 de janeiro, Guaidó se autoproclamou como presidente em exercício da Venezuela, com base em uma interpretação que a oposição faz de vários artigos da Constituição e que lhes levam a considerar que Maduro “usurpou” a presidência e que o Poder Executivo deve recair no chefe do parlamento até que sejam convocadas novas eleições.

Trump foi o primeiro presidente estrangeiro a reconhecer Guaidó como presidente interino, uma postura na qual lhe seguiram vários países, com notáveis exceções como Rússia e China.

“O presidente atuou (para reconhecer Guaidó) porque entendeu claramente a importância de apoiar a pujante democracia na Venezuela”, afirmou à Efe o citado porta-voz da Casa Branca. Fonte: Exame

Publicação: Redação Brasil (m)

Login

Perdeu sua senha?