Home » Brasil » Justiça » Advogado pede ao STF que suspenda PEC do bilhão do funcionalismo em São Paulo

Advogado pede ao STF que suspenda PEC do bilhão do funcionalismo em São Paulo

Na capital paulista, por exemplo, o teto é o salário do prefeito, de R$ 24,1 mil. Com a aprovação da PEC, subirá para R$ 30,4 mil, ou seja, aumento de 26%

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs, que já moveu ação na Justiça Estadual contra a PEC 05, que aumenta o teto salarial do funcionalismo em São Paulo, também quer que o Supremo Tribunal Federal reconheça sua inconstitucionalidade. Ele pede liminarmente que a Corte suspenda os efeitos da Proposta de Emenda Constitucional, que não precisa passar pelo governador Márcio França (PSB) para ser promulgada.

Para o advogado, o “estado de coisas inconstituciuonal” gerado pela aplicação da emenda, que vai impactar os cofres públicos em R$ 1 bilhão em um período de 4 anos “não pode prevalecer, sob pena de retrocesso social e inversão dos valores constitucionais que privilegiam um setor da sociedade (funcionalismo público) em detrimento de outro, que suporta a alta carga tributária regressiva e alocada no mercado de consumo (os trabalhadores)”.

“Uma vez que a Proposta de Emenda à Constituição Estadual ao violar princípios e valores da Constituição Federal – norma de reprodução e observância obrigatória aos Estados-Membros – desvia-se tanto do fundamento do Estado Democrático de Direito referentes à dignidade da pessoa humana, quanto dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil de construir uma sociedade livre, justa e solidária, erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos”, afirma.

A Proposta de Emenda Constitucional 05, que passou por 67 a 4 na Assembleia, será promulgada sem a necessidade de sanção do governador Márcio França (PSB).

O texto do deputado Campos Machado, líder do PTB na Assembleia, eleva de R$ 22,4 mil a R$ 30,4 mil – equivalentes aos vencimentos dos desembargadores do Tribunal de Justiça – o teto salarial do funcionalismo público estadual, gradualmente, em quatro anos. O custo aos cofres do Estado nesse período chega a R$ 1 bilhão.

A PEC turbina não somente o teto dos servidores do Estado, mas também o de prefeituras e câmaras municipais de todos os 645 municípios paulistas, dos Tribunais de Contas do Estado e da capital, do Ministério Público e da Defensoria Pública, segundo sua redação.

Na capital paulista, por exemplo, o teto é o salário do prefeito, de R$ 24,1 mil. Com a aprovação da PEC, subirá para R$ 30,4 mil, ou seja, aumento de 26%.

A medida impactaria, além da folha dos servidores municipais, também a dos funcionários da Câmara e do Tribunal de Contas do Município.

Na Câmara paulistana, 154 servidores seriam beneficiados, com impacto mensal de R$ 787.877,13 somados aos encargos e impacto anual de R$ 10,5 milhões.

    Publicação: Redação Brasil (m)

    Login

    Perdeu sua senha?